Trofeu Mônica Bueno

É um simbolo do agradecimento da AMANF às pessoas que tem contribuído para o conhecimento científico das neurofibromatoses, para o atendimento médico e para o acolhimento das pessoas acometidas pelas neurofibromatoses.

O Troféu Mônica Bueno recebeu seu nome em homenagem e em memória da senhora Mônica Bueno, fundadora da Associação Mineira de Apoio aos Portadores de Neurofibromatoses (AMANF).

O Troféu Mônica Bueno foi criado em 2012 pela AMANF, com a colaboração artística do Dr. Luiz Oswaldo Carneiro Rodrigues (LOR).

O Troféu Mônica Bueno foi entregue pela primeira vez em 2012 aos médicos Ivo Pitanguy e Mauro Geller, e o valor da contribuição pessoal de cada um deles à causa das neurofibromatoses servirá de balizamento para os anos seguintes. Doutor Ivo e Doutor Mauro constituem exemplos dignificantes para que os futuros agraciados com o troféu Monica Bueno venham a ser verdadeiros expoentes na tarefa de ajudar os portadores daquelas doenças.

 

Homenageado 2012 

Dr. Mauro Geller (Rio de Janeiro) http://lattes.cnpq.br/1616947842612843

Possui graduação em Medicina (1978), mestrado em Educação pela Universidade Católica de Petrópolis (1991), doutorado em Clínica Médica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2005) e pós-doutorado em Imunogenética pela Harvard University (2006). Atualmente é integrante permanente da comissão de pesquisa do Hospital da Polícia Militar, professor titular de Imunologia e Microbiologia da UNIFESO, coordenador da Universidade Federal do Rio de Janeiro e Professor Titular de Pós-Graduação em Imunologia Clínica – Especialização do Instituto de Pós-Graduação Médica Carlos Chagas. Tem experiência na área de Imunologia Clínica, com ênfase em Imunologia e Imunogenética, atuando principalmente nos seguintes temas: clínica, imunologia tumoral, genética, e imunodiagnóstico. Coordenador do Setor de Facomatose do Serviço de Genética Clínica da IPPMG da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Doutor Mauro é um dos fundadores do Centro Nacional de Neurofibromatose (Rio de Janeiro) e seu diretor clínico, além de ser membro do Comitê Diretor da Fundação Nacional de Neurofibromatoses dos Estados Unidos. Publicou 6 livros e 9 capítulos de livros, dentre os quais o pioneiro “Neurofibromatose: Clínica, Genética e Terapêutica” de 2004 e em 2012 o “Advances in neurofibromatosis research”, editado em conjunto com a Dra. Karin Soares Gonçalves Cunha.

Doutor Mauro recebeu diversos e importantes Prêmios: Certificado de Reconhecimento no Clube de Dirigentes (1992), o Prêmio por Serviços Públicos (1996) e o Diploma de Liderança Honorária (1997), todos concedidos pela Fundação Nacional de Neurofibromatoses dos Estados Unidos. Destaco também o Título de Benemérito do Estado do Rio de Janeiro concedido pela Assembleia Legislativa em 1994.

Doutor Mauro Geller produziu, até o momento, cerca de 180 artigos científicos sobre diversos temas de interesse para a medicina, incluindo as neurofibromatoses.

Doutor Mauro Geller orientou dissertações de Mestrado e um doutorado: o da Dra Karin Soares Gonçalves Cunha, cujo talento para a pesquisa em neurofibromatose, recentemente premiado pela Academia Brasileira de Ciências, é um testemunho da grande e positiva influência do seu orientador Mauro Geller.

Se toda esta trajetória acadêmica do Doutor Mauro Geller já é, por si, impressionante, ainda mais marcante é a sua grande habilidade clínica no trato com os milhares de pacientes com neurofibromatoses, e isto é testemunho unânime daqueles que já foram assistidos por ele. Graças ao exemplo pioneiro do Dr. Mauro Geller, os especialistas em neurofibromatoses começaram com ele a existir no Brasil e estamos crescendo em número e capacitação.

Homenageado 2012 – Dr. Ivo Pitanguy

Há mais de 60 anos Doutor Ivo Pitanguy tem trabalhado incansavelmente para tornar a cirurgia plástica especialidade mais conhecida e respeitada. Ele tem sido líder de diversos serviços pioneiros e de referência internacional, como o Serviço de Queimaduras e de Cirurgia Reparadora do Hospital Souza Aguiar, o Serviço de Cirurgia Plástica e Reparadora da Santa Casa.

Devido à crescente demanda por seus serviços e sua preocupação constante em difundir o ensino e atender a população carente, Ivo Pitanguy criou a 38ª Enfermaria da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro, dedicada ao atendimento da população mais pobre. Aquela enfermaria ampliou o alcance da cirurgia plástica, recuperando a importância social daquela especialidade, onde tem atendido pessoas com neurofibromatoses, especialmente aqueles casos mais graves de deformidades causadas pela doença.

Além das cirurgias que realiza, o professor Ivo Pitanguy apresenta conferências e ministra aulas a convite de universidades e entidades médicas do Brasil e de outras partes do mundo. O professor já participou de 2.064 conferências no Brasil e em outros países, com aproximadamente 1.800 publicações entre livros, capítulos de livros, prefácios, conferências e artigos científicos.

 

Homenageado 2012 – André Bueno Belo 

André foi o primeiro presidente da AMANF e graças aos seus esforços e de sua família nossa instituição se tornou uma referência nacional para o acolhimento das pessoas com neurofibromatoses. Na foto acima, sua família recebe uma homenagem após o falecimento precoce do André, que muito nos causa pesar.

 

Homenageado 2014 – Dr. Vincent M. Riccardi

Dr Vincent Michael Riccardi (Estados Unidos) é o pioneiro no atendimento em genética clínica que na década de 70 despertou a comunidade científica para o estudo da neurofibromatoses. Ele possui dezenas de publicações sobre neurofibromatose e recebeu em 2008 o Prêmio Von Recklinghausen da Children’s Tumor Foundation pela sua contribuição à compreensão da doença.

 Dr Riccardi trabalha atualmente como membro do The Neurofibromatosis Institute, Inc. Endereço: 5415 Briggs Avenue, La Crescenta, CA.

Dr Riccardi foi convidado de honra de dois Simpósios Internacionais sobre Neurofibromatoses realizados no Brasil (2009 e 2014), realizando palestras muito importantes para o desenvolvimento científico e para o atendimento clínico das neurofibromatoses. Participou de reunião da AMANF, onde contribuiu com sugestões importantes e examinou diversos pacientes do CRNF HC UFMG.

 

Homenageado 2016 – Dr José Renan da Cunha Mello

O Dr. José Renan, além dos seus grandes méritos que o tornaram Professor Emérito da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais, sempre esteve disposto a ajudar todas as pessoas com Neurofibromatoses que precisaram de seus excelentes serviços como cirurgião, especialmente nos casos cirúrgicos mais difíceis, acolhendo nossos associados com grande empatia e perfeita competência profissional, dentro da mais genuína medicina pública e humanitária.

O Dr. José Renan possui graduação em Medicina pela Universidade Federal de Minas Gerais (1968), graduação em Veterinária pela Universidade Federal de Minas Gerais (1983), graduação em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais (2003), mestrado em Ciências Biológicas (Fisiologia e Farmacologia) pela Universidade Federal de Minas Gerais (1975), doutorado em Cirurgia pela Universidade Federal de Minas Gerais (1985), pós doutorado no National Heart Lung and blood Institute, NIH, Bethesda, MD, USA (1985-1988). Foi durante muitos anos bolsista do CNPq e participou por períodos variados como membro titular do CA/MD. Foi representante da área de Medicina III da Capes por dois triênios. Aposentadoria compulsória como professor Titular do Departamento de Cirurgia em agosto de 2015, tendo sido convidado, logo em seguida, para exercer função de Assessor junto à Diretoria da Faculdade de Medicina da UFMG. Em setembro de 2015, a Congregação da FM propôs o seu nome para Professor Emérito da UFMG, aprovado por unanimidade. Atualmente é Professor Emérito da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), título que o incentivou a manter atividades de orientação e de pesquisa no Laboratório Professor Freire Maia, sob sua coordenação. Tem experiência na área de cirurgia com ênfase em Cirurgia Oncológica. Suas principais linhas de pesquisa são: Mecanismo de ação da toxina de escorpião; Fisiopatologia dos choques distributivo e hemorrágico e Transdução de sinais de membrana em mastócitos.