Posts

Por que a NF1 varia tanto entre uma pessoa e outra?

, ,

Recebi do nosso colega e amigo Dr. Nikolas Mata-Machado, que é neurologista infantil em Chicago, um artigo científico recente (14 de abril de 2020) muito interessante, que busca compreender melhor esta questão.

O estudo foi conduzido pela cientista Dra. Corina Anastasaki, que faz parte do excelente grupo de pesquisa coordenado pelo Dr. David Gutmann da Faculdade de Medicina da Universidade de Washington, Estados Unidos, e publicado na revista Stem Cell Reports (VER AQUI O ARTIGO COMPLETO)

Sabemos que a NF1 se apresenta clinicamente de forma muito diferente entre as pessoas, mesmo entre irmãos que possuem a mesma variante patológica do gene (mutação), inclusive irmãos gêmeos. Por exemplo, algumas pessoas com NF1 possuem poucos neurofibromas, outras muitos; algumas têm glioma óptico, outras não; metade apresenta neurofibromas plexiformes, a outra metade não; e assim por diante.

Até agora nós temos atribuído esta variação a três fatores.

O primeiro, seria a variação existente nos demais genes da pessoa. Ou seja, mesmo que o gene NF1 seja o mesmo entre dois irmãos, por exemplo, os outros genes herdados de seus pais serão combinações diferentes dos genes paternos e maternos. Assim, a interação entre o gene NF1 e os demais genes poderia explicar as diferentes manifestações, complicações e gravidade da NF1 entre as pessoas.

Outro fator seria a deleção do gene, ou seja, em cerca de 10% as pessoas com NF1 temos a perda completa do gene, o que produz algumas manifestações específicas (maior gravidade, mais complicações, sinais anatômicos típicos etc.) ( VER AQUI )

O terceiro fator seria a existência de algumas variantes patológicas que causam manchas café com leite, efélides (dificuldades cognitivas?), mas não produzem o aparecimento de neurofibromas ( VER AQUI). Ainda não sabemos exatamente porque estas mutações se comportam assim.

Agora, o novo estudo realizado pela Dra. Corina Anastasaki e colaboradores veio trazer um pouco mais de luz sobre esta questão.

A autora e seus colaboradores recolheram células vivas de 7 pessoas com NF1 e analisaram as mutações que cada uma delas apresentava. Ver no desenho abaixo a reprodução do local de cada mutação no gene NF1.

 

Depois cultivaram estas células em laboratório e mediram algumas características destas células e compararam as linhagens de células entre si.

Os resultados mostraram que todas as 7 mutações apresentaram algumas coisas em comum, por exemplo, aumento de uma via do metabolismo que aumenta a atividade celular (RAS) e da expressão de um neurotransmissor neural (GABA). Além disso, aumentaram a quantidade de células da glia no tecido nervoso.

No entanto, cada mutação apresentou padrões diferentes na expressão de outras atividades da célula, por exemplo, na produção de dopamina, no tempo de vida (apoptose), na diferenciação e na formação de estruturas típicas do sistema nervoso (organoides), as quais não estão relacionadas com a via metabólica RAS.

Assim, este estudo apresenta uma nova compreensão dos mecanismos de ação do gene NF1 e o que acontece quando o gene está alterado por uma determinada variação patológica.

Além disso, os dados sugerem que o tipo e local da mutação podem ser responsáveis pelas características clínicas das pessoas com NF1, especialmente as alterações cognitivas e de comportamento, o que pode abrir novas perspectivas para tratamentos eficientes no futuro.

Obrigado à Dra Corina Anastasaki e colaboradores por mais este passo em direção à cura das NF e obrigado ao Dr. Nikolas Mata-Machado por nos alertar para o artigo.

Dedico este post ao colega Frederico Malta, que vem nos propondo um projeto de pesquisa para estudarmos as possíveis correlações entre as mutações e as manifestações clínicas. Até este momento, eu vinha desestimulando o Frederico a estudar esta questão argumentando com ele que existem mais de 2 mil mutações já identificadas, portanto, seria praticamente impossível caracterizarmos cerca de 2 mil tipos clínicos, um para cada tipo de mutação. No entanto, este estudo acima nos faz pensar novamente na possibilidade de que, no futuro, sejamos capazes de fazer determinados prognósticos clínicos e terapêuticos a partir da identificação da variante patológica.